terça-feira, agosto 08, 2006

E o inesperado acontece...

O La Trastienda Club é uma casa de shows no bairro de Santelmo, Buenos Aires. Fica perto daquelas casas de tango que todo turista visita. Mas ali havia poucos turistas além de nós.
Chegamos cedo. Não conhecíamos a casa.
Há um bar na entrada e uma sala de espetáculos no fundo.
Havia show de um outro Chico no horário anterior.
Esperamos no bar. Pedimos vinho, bruschetas e azeitonas.
Em meio à confusão da saída do público do show anterior, Chico passou rapidamente por nós, chegando para a sua apresentação.
Mais um pouquinho e a sala de espetáculos foi liberada para o público. Havia muita gente. Jovens e não tão jovens. Argentinos, muitos. Brasileiros, alguns.
Nosso lugar, reservado com antecedência pela internet, era na mesa 1.
Quando as cortinas se abriram, notamos que a posição do Quinteto no palco estava modificada.
Diferente também estava Chico, que entrou com terno escuro, em vez do já tradicional terno branco dos últimos shows.
O show foi muito bom. Chico estava animadíssimo. Falou muito com o público, em português, em espanhol e em portunhol...
O público, empolgado, cantava com Chico e pedia músicas.
Chico atendeu a um pedido: Respeitem meus cabelos, brancos. Quem pedia era uma moça, cujo nome, vim a saber depois, é Leticia. Na seqüência, Chico cantou Mulher eu sei, que também não estava programada, e o público delirou.


Cena seguinte!
Momento da troca de violões. Foi daí que veio a primeira surpresa... O violão maior estava sem a alça. E foi dessa maneira que Buenos Aires não pôde ouvir A prosa impúrpura do Caicó e toda a seqüência de maravilhas com que Chico costuma brindar o público nesse momento do show. Sem perder a classe, Chico voltou ao primeiro violão e cantou mais um pouco até a volta do Quinteto.
E o violão abandonado serviu como manequim para que Chico colocasse o chapéu, o paletó e até o All Star preto que tirou deitado no chão...
Próxima cena!
Hora do baião - Por causa de um ingresso do festival matou roqueira de 15 anos. Nova surpresa... Cadê a palheta!
Foi então que Chico se dirigiu ao público e perguntou:
Alguém tem uma palheta aí pra me emprestar?
Eu tinha!
Era uma palheta dele mesmo, usada num show anterior e guardada como lembrança. Essa que está na foto, junto ao ingresso...
Parecia uma cena de gincana, quando os participantes são instados a encontrar objetos inusitados.
O prêmio? Impensável!
Fica para a próxima postagem...

2 comentários:

  1. Pronto, agora o post não está mais tão sozinho. :-)

    ResponderExcluir
  2. Um pequeno detalhe para a união de felicidades.

    ResponderExcluir