domingo, março 24, 2019

Na ocupação

Hoje faz um ano que viemos morar no centro de São Paulo.

Um ano de novas experiências, novas descobertas.

Um ano "fiscalizando", das nossas janelas, a Ocupação Nove de Julho.

Já teve festa, show, almoço, exposição, gravação de videoclipe.

Daqui do alto, acompanhamos a pintura do muro, o trabalho na horta, a movimentação dos moradores.

Foto: Ana Oliveira

Hoje teve almoço na ocupação. Quem cozinhava era a Neka. Aquela Neka, a Neka Menna Barreto, a dos banquetes, sabe?

Fui lá, como já fomos outras vezes. A comida estava deliciosa e a casa, cheia.

Depois de comer, fiquei ali no pátio, vendo quem entrava e quem saía. Muita gente!

Vai daí que passa uma das voluntárias (há muitas e muitos, principalmente em dias de almoço) convidando para uma visita guiada ao prédio. Opa! Presente!

Os interessados, nos reunimos na entrada e esperamos pela Selma, uma moradora que fez o papel de guia nessa aventura pelo prédio dos anos 40.

São 14 andares, mas os elevadores não funcionam. Fomos pelas escadas.

O que já vai logo chamando a atenção é a limpeza das escadas e dos corredores. Tudo antigo, com marcas do tempo, do uso e do desuso, mas tudo limpo e organizado. 


São 130 famílias morando ali.

Selma nos contou que para ser admitido como morador é preciso aceitar e cumprir regras: "homem que bate em mulher tá fora!" Drogas e bebida não são permitidas.

A boa convivência é incentivada. Há coordenadores por andar e qualquer desavença é tratada em reunião com os envolvidos, além das reuniões periódicas com todos os moradores.


A brinquedoteca é uma graça. Tudo organizado. Ali fazem atividades para as crianças e há pessoal voluntário para cuidar dos pequenos no caso de a mãe precisar se ausentar.

No mesmo ambiente, está uma pequena biblioteca infantojuvenil. Tudo conseguido através de doações.

Selma nos levou à casa dela, no 8º andar , ou será no 9º? Perdi a conta...

Pequena, mas toda arrumadinha. Sala com TV, quarto do neto todo enfeitado com motivos infantis, máquina de costura e uma área externa de onde se vêem... as nossas janelas.

É ali: três janelas clarinhas, no penúltimo andar, à esquerda,
acima do único toldo que se vê na fachada.
Visitamos também um apartamento que está em reforma. Os moradores trabalham em esquema de troca: um ajuda o outro fazendo aquilo que sabe. Nessa reforma, o marido da Selma está ajudando na parte elétrica. E eles também tiveram ajuda de outros moradores quando estavam reformando o deles.

Enfim, uma comunidade de gente como a gente. 

sexta-feira, novembro 30, 2018

13


Essa imagem estava lá no site do Personare...

Procurei no Google e o Wikipédia me mostrou:
"O número treze (13) é o número natural que sucede o 12 e precede o 14. O número 13 é o sexto número primo (número divisível por 1 e por ele mesmo), depois do 11 e antes do 17. É o número atômico do Alumínio, um metal não magnético. O número 13 é o sétimo número de Fibonacci, depois do 8 e antes do 21."
(Olha só 13 e 17 são primos... Isso tinha me passado despercebido!)
Já o Personare me diz que "o 13 é formado pelos números 1 e 3. O 1 simboliza coragem, iniciativa e disposição para correr riscos. Já o 3 representa a autoconfiança e o otimismo de acreditar no melhor da vida, além da reação de leveza e liberdade que acompanha essa atitude positiva perante os desafios. Tanto o 1 quanto o 3 gostam de viver livremente e não apreciam dar satisfações do que querem fazer e do que efetivamente fazem. Por que detestam ser mandados e seguir regras."
Euzinha, quando penso em 13, me vem à cabeça:

  • PT
  • azar
  • sexta-feira 13
  • 13º salário

Enfim, tem assunto esse número treze, hein!

Nesses tempos em que o 13 esteve bem presente na disputa do nosso futuro, fico bem feliz por poder bradar com força os parabéns para os 13 anos desse blog.

E torço para que daqui a 4 anos, quando o De uns tempos pra cá completar 17 aninhos, a gente esteja  com perspectivas mais promissoras no horizonte.



terça-feira, outubro 16, 2018

Oi, sumida!

Então, já vivemos mais de dois terços de 2018 e nada de postagem por aqui! 😱
Bom, vou fazer um resumo do que rolou e, depois, tento contar as viagens com mais detalhes. 🤞
Começamos o ano com a tarefa de reformar o novo apartamento e só demos conta disso no final de março, quando enfim mudamos pro novo endereço. 👯‍♀️
Durante o período das obras, demos duas escapadinhas ao Rio de Janeiro: uma em fevereiro, pra ver Gil cantando no Circo Voador e outra em março, pra ver Bethânia cantar no Vivo Rio.
Nesse meio tempo, algumas idas e vindas a Santos, muita loja de materiais e eletrodomésticos e alguns shows.

E a casa nova ficou assim
Foto: Ana Oliveira

O que você leu até agora, foi escrito no início de setembro... 
Hoje, 16 de outubro, retomo o post.
Será que agora vai?

E depois? 
Depois veio tanta coisa... 

De viagem, tivemos:

Uma viagem a Paris e Lisboa, que quase não aconteceu por conta de doença em família.
Bahia pra ver Chico e Rita cantarem em Mucugê.
Aniversário coletivo em Visconde de Mauá/RJ.
Aniversário da Ana em viagem rapidinha a Piedade/SP


De shows:

Vários do Chico César e um do Chico Buarque
Alguns da Rita Benneditto e mais um da Maria Bethânia, dessa vez com Zeca Pagodinho.

E teve muita política:

Assassinato de Marielle Franco
Prisão de Lula
Muitas manifestações pelas ruas.
E eleições...

E no meio disso tudo, seguem os compromissos familiares agravados por doença e idade, a tarefa de alugar o apartamento de onde saímos (que já nem é mais nosso...), o clima entristecedor da situação do país e uma fascite plantar bem chatinha que ainda assombra meus passos.

De bom, a nossa cumplicidade e o carinho dos amigos que volta e meia aparecem pra nos ver e conhecer a casa nova.

E assim, a gente vai levando...

Visconde de Mauá set/2018
Foto: Vilma Queiroz


domingo, dezembro 31, 2017

2017 em 12 selfies



Janeiro em Milão
O ano começou com a perspectiva da viagem à Índia.
Milão foi escolhida como primeira escala. Coisas de quem viaja com milhas... 😜
Aproveitamos pra rever o alto do Duomo e pra conhecer a “Santa Ceia”.


Fevereiro em Varanasi
A viagem pela Índia foi um sucesso. E deixou saudades.
E ainda teve o Nepal, na sequência. 😍


Março em Recife
O motivo da viagem foi ver Dona Maria cantando, mas aproveitamos pra dar uma olhadinha no edifício que serviu de cenário para o filme Aquarius. 🎬


Abril em Santos
Viajar de navio levando mãe e pai já virou tradição. Dessa vez fomos com o MSC Preziosa, parando em Búzios e Balneário Camboriú. 🚢


Maio em São Paulo
Já tínhamos visto a exposição de Yoko Ono quando estreou em Buenos Aires. Quando “O céu ainda é azul, você sabe...” chegou ao Tomie Ohtake, voltamos. 🌌


Junho em São Paulo
Parada gay? Essa a gente não perde! Esse ano foi em cima do trio elétrico. 🌈


Julho em São Paulo 
Procurando um novo lugar pra morar na metrópole, despertamos para as joias arquitetônicas da cidade. 
Uma das curiosidades era conhecer o conjunto de edifícios “Três Marias”. Fomos e registramos. 🏡



Agosto em Quito
E pra não perder o costume, uma viagenzinha de tiete: Quito pra ver Chico cantar. 💖
Acabamos nos apaixonando pela cidade.


Setembro em Santos
A diva veio cantar na nossa (segunda) cidade. Não dava pra perder, né? 🎤
E ainda tivemos direito ao camarim!



Outubro em Machu Picchu
Voltamos ao Peru para comemorar o aniversário  da Ana. 
E a velha montanha não nos escapou dessa vez... 🏔



Novembro no Rio de Janeiro
Viagem relâmpago pra ver mulheres que fazem poesia. 🛫



Dezembro em Santos
A varanda santista faz seis anos! 🎂