quarta-feira, fevereiro 18, 2015

GRU vai ter hotel de verdade!

Hoje cedinho a Mari Campos, sempre antenada com as boas notícias viajeiras, postou no twitter:


Foi uma ótima maneira que a Mari encontrou pra dizer "Bom dia!", já que nosso aeroporto paulista está mesmo precisando desse luxinho...
Um dia desses, numa estada prolongada por lá, Ana e eu decidimos experimentar o Slaviero Fast Sleep
Chegamos sem reserva. Não havia cabine com banheiro privativo disponível. Aceitamos a cabine com banheiro social e lá fomos nós, esperando encontrar algo como havíamos experimentado em Londres no Yotel, que, como eu contei aqui, não foi baratinho, mas valeu cada libra paga.
No Slaviero a relação custo benefício foi péssima! 
Cabines mínimas, com paredes super finas e limpeza duvidosa. 
Nossa estadia foi 3 ou 4 horas durante a tarde. Não precisávamos dormir, só mesmo descansar um pouco do voo madrugador que fizéramos entre Fortaleza e Guarulhos e esperar pelo voo no final da tarde  rumo a Londrina. Ô sorte, porque ouvimos todos os sons ao redor durante todo o tempo em que lá estivemos, incluindo longas conversas entre as arrumadeiras que estiveram pelos corredores a tarde toda.
O banheiro social estava limpo, mas a descarga tinha pouco volume de água... Culpa da crise hídrica paulista? 


Numa oportunidade anterior, tínhamos um voo matinal e decidimos dormir próximo ao aeroporto para agilizar o embarque. Estudamos as ofertas locais e decidimos pelo Ibis Guarulhos, como eu contei aqui. Foi uma boa experiência: o hotel leva e traz os hóspedes (e cobra uma pequena taxa para isso), mas há que se adaptar aos horários do transfer para chegar com tranquilidade para o embarque, o que nem sempre é tão fácil.
Dá pra entender, então, a minha alegria ao ler o tuíte da Mari. Um hotel dentro do aeroporto... ui! Tomara que seja pagável!
Saí na internet em busca de notícia mais completa. E vejam só: não será somente um hotel, mas dois!!!!! \o/ 
Segundo a notícia que li aqui, teremos um Wyndhan Gran Collection, com abertura prevista para o fim de 2016 e um Tryp by Wyndhan pro início de 2015, ou seja, loguinho.
Diante disso, só posso dizer #oremos!

quinta-feira, fevereiro 05, 2015

Decretando moratória e dando um pequeno calote

Em 2014 fiquei devendo muitos posts a esse blog. 
Fazer o quê? Acontece...
Juro que tentei: no quesito viagens, carreguei as anotações quase que o ano todo de São Paulo para Santos e vice-versa. Como foram várias viagens, o pacote de anotações era grandinho, e pesado. Mas nem por isso saíram todos os posts prometidos.

Imagem: googlediscovery.com/

Com relação à viagem de lua de mel no Atacama, considero quitada a minha dívida com o blog. Tudo foi relatado e ilustrado com maior ou menor grau de detalhes.

Imagem: Freepick
Sobre a viagem à Jordânia, escrevi apenas dois posts. Haveria muito mais pra contar, mas... tô pensando em dar o calote! 
Ofereço, como prova de boa fé, links para as fotos dos lugares que foram relegados:

E teve ainda Espanha e Portugal. 
Das aventuras espanholas, contei aqui e aqui sobre nossas andanças pelas antigas muralhas madrilenhas acompanhadas de amigos nativos.
Mas desse passeio pela Península Ibérica ainda tem mais coisas pra contar. É para essa parte que declaro moratória!

Imagem: enjoei.com.br
Como adiantamento e princípio de pagamento, deixo fotos:

Madri

Évora


E agora, declaradas dívidas e fixadas promessas, posso deixar as anotações em paz e voltar a elas quando vencer o meu prazo para pagamento.


Ufa!

segunda-feira, dezembro 29, 2014

2014 foi bom

Fiz uma revisão nas fotos e anotações do ano que está terminando e selecionei alguns bons momentos de 2014.
Teve outros? Certamente!
E maus momentos, houve? Invitável! Mas desses nem quero lembrar...
Hora do balanço, pois!
Como boa virginiana, vai tudo organizado por meses:

Janeiro: festas e família


Fevereiro: casamento e lua de mel


Março: Jordânia, Espanha e Portugal


Abril: Juca, o carro novo e aniversário do pai


Maio: progressos no VP, Chico César (ídolo!) e parada gay em SP


Junho: Manaus, Rita Benneditto (queridinha!) e ingressos para um jogo da Copa do Mundo \o/


Julho: Bélgica x Estados Unidos em Salvador -> Copa do mundo no Brasil
 e travessia Brasil/Estados Unidos a bordo do MSC Divina


Agosto: Nova York, Ceumar (outra querida!) e homenagem a Vange Leonel em Brasília


Setembro: comemorando os 61 anos em Buenos Aires


Outubro: comemorando os 55 da Ana em Búzios


Novembro: Punta del Este e início da temporada de cruzeiros sob a nossa janela


Dezembro: mais sucesso no VP (pode ir lá comparar com o de maio!), Rubi (mais um querido!) e ceia de Natal com a família


Não dá pra reclamar de 2014, dá?
Que venha 2015 e que seja ainda melhor pra todos nós!

quinta-feira, dezembro 18, 2014

Lua de mel, o que faltou contar...

Rá, viu o título e veio correndo, esperando ler detalhes picantes, né?
Nada disso, tô falando apenas da nossa viagem de lua de mel que aconteceu em fevereiro, sobre a qual já contei umas e outras coisinhas em posts anteriores, mas ainda não terminei.
(Hum, acho que já fui mais pontual por aqui...)

Vamos em frente, então:
Nossa agenda de passeios no deserto, feita logo na chegada ao hotel, incluía dois salares: Atacama e Tara. Em ambos, nos prometeram flamingos. Eles estavam lá, sim, mas estavam tão longe que foi preciso muito zoom nas câmeras pra fotografá-los...

Flamingos no Salar de Atacama, o primeiro que visitamos, logo no dia da chegada,
com direito a um pôr de sol lindão.


Flamingos no Salar de Tara
Foto: Ana Oliveira

Pra chegar ao Salar de Tara é preciso muita andança - de van, bem entendido! - pelo deserto. O caminho inclui estrada asfaltada e caminho de terra, lagos, pedras, montanhas e animais.
Já o Salar de Atacama fica pertinho da cidade. No caminho, conhecemos a praça, a igreja, as lhamas e o artesanato do pequeno povoado de Toconao.
A Laguna Cejar é também parte do Salar de Atacama. Fica a uns 18km da cidade e é um bom lugar pra ir pedalando. Fomos até lá duas vezes, de van, e nos esbaldamos naquelas águas salgadas.  A combinação de beleza, facilidade de acesso e diversão atrai muita gente. Na nossa primeira visita, o lugar estava bem movimentado... Ó:


Aí cê tá lendo e pensando: "Mas que raio de deserto mais úmido é esse? Lagos, salares, rios... Tem mais água que em São Paulo!"
Calma, tem deserto "de verdade", sim! Daquele jeito que você aprendeu na escola: pedras, areia, aridez total. Dá uma olhada nessas paisagens:

Tudo sequinho! Deserto, como manda o figurino, né?

O céu é um espetáculo único no Atacama. Observar estrelas, constelações, planetas e galáxias é parte obrigatória da agenda de todo turista.
A dois passos do Tierra Atacama, está o Observatório Astronômico Ahlarkapin, cujo nome significa "estrela brilhante". O pacote do hotel não incluia esse chamado "tour das estrelas", mas eles recomendaram e fizeram as reservas. 
(Pelo que li agora, parece que o Tierra já incorporou o observatório em suas opções de passeios.)
Há outros observatórios, de repente até mais profissionais que o Ahlarkapin, mas decidimos ir ali pela proximidade. Não quisemos investir num tour mais longo, sofisticado, e talvez mais caro,  já que a fase da lua em que estávamos não era totalmente propícia para a observação. E agora, pesquisando pra escrever esse post li aqui que o "nosso" observatório possui um dos maiores telescópios particulares. Será? A verdade é que fomos e gostamos.
Quer ter uma ideia de como funciona?  Dá uma olhadinha nesse clip. É curtinho: 38 segundos.



Quando você for ver estrelas no céu do deserto, leve um casaquinho, faz frio por lá. E procure saber antes qual a época mais apropriada para a observação celeste: quanto mais próximo da lua cheia, pior a visibilidade. (Nós pegamos o último dia possível naquela fase, ô sorte!)
Escolhendo a época de lua nova, você provavelmente vai ter uma ótima oportunidade de ver estrelas, mas vai perder a lua cheia nascendo atrás dos vulcões.  E agora?
Pra ajudar na decisão:

Da luneta, no último dia de função antes da lua cheia, nós vimos isso...
(Fotos: Ana Oliveira)

... e a olho nu, três dias depois, vimos issaí!
(Foto: Ana Oliveira)

E já que estamos falando do céu atacamenho, olha essas fotos:

Fotos: Ana Oliveira

Essas eram as cores do céu durante nosso trajeto entre Calama e São Pedro, no dia da nossa chegada, numa singela manhã de domingo. 
Já deu pra ver que o céu do "desertão" não estava pra brincadeira, né?

Pra encerrar o tema, vão aí mais alguns detalhes da viagem:
Nos posts anteriores, contei dos hotéis bam bam bam Tierra Atacama e The Aubrey, o primeiro em São Pedro de Atacama e o outro em Santiago. Faltou dizer que na ida, entre o voo São Paulo/Santiago e o voo Santiago/Calama, passamos uma noite no Holiday Inn Aeropuerto Santiago, que eu já conhecia de outra viagem e considero uma mão na roda pra quem vai fazer escala de uma noite por lá. O hotel fica a dois passos da área de embarque e desembarque do aeroporto de Santiago.
Voamos TAM e LAN e usamos a van do hotel durante todo o tempo em que estivemos no Atacama.
Pra sair do aeroporto rumo a Santiago, táxi.
Pra estada em Santiago, deixamos as malas no bagageiro do aeroporto, que é daqueles que têm um funcionário que recebe e entrega a bagagem... Nada de escaninhos fechados e chave em poder do viajante.

Pra ver ou rever as fotos dessa viagem, aqui estão os links:  


domingo, novembro 30, 2014

Nove anos

Imagem: http://bulbulk.com/
2014 foi o ano em que escrevi menos posts nesse blog. 
Foi um ano de muitas viagens, acontecimentos importantes... assunto não faltou! Mas escrevi pouco. Ainda nem acabei de contar sobre as viagens do início do ano...
Reflexo da pouca escrita: menos visitas, umas 20.000 mais ou menos.
Ao longo do ano, estive revendo alguns posts mais antigos e notei algumas mudanças na forma de escrever. Comecei com um tom mais pessoal e fui evoluindo para um estilo mais funcional, com links e informações mais precisas. Influência dos blogs que leio e um compromisso de retribuição pelas informações obtidas neles, acho.
E, penso agora, talvez esteja aí um dos motivos para escrever menos: posts práticos dão mais trabalho...
Mas seja lá como for, continuo curtindo o blog e as possibilidades de comunicação e de arquivo de lembranças que ele oferece. 
É nele que me baseio para relembrar quando estivemos em algum lugar ou fizemos determinada coisa. É a minha memória.
Assim, vamos que vamos rumo aos 10 anos!