domingo, maio 28, 2017

Boudhanath


Eu já confessei aqui que nunca tinha sequer ouvido a palavra estupa, até que vi a primeira delas, a Dhamekh, em Varanasi, na Índia.

No Nepal, veio a segunda estupa da viagem, a antiquíssima Swayambhunath.

Ambas belas e surpreendentes, mas...

... a estupa que fez meus olhos brilharem, meu coração bater mais forte e que ficou gravada na minha memória, foi a Boudhanath, a última que visitamos em Kathmandu. Olha que lindeza!

Foto: Ana Oliveira

Para chegar a ela, cruzamos a cidade enfrentamos um trânsito caótico (que novidade!)  somado a vias em manutenção, ruas interrompidas... um revés atrás de outro. 

Mas todo esse perrengue foi generosamente recompensado quando, depois de passar pelo guichê de pagamento das entradas e percorrer uma curta e estreita rua, tivemos a primeira visão, em toda a sua magnificência, daquela que é considerada uma das maiores estupas do mundo. 

A primeira visão da Boudhanath

Chegamos ali no início da tarde e, nosso primeiro movimento foi subir ao Boudha Stupa Restaurant & Cafe para um almoço tardio, de frente para a bonitona que, em 1979, foi alçada à categoria de Patrimônio da Humanidade, pela UNESCO.

Olha lá o pátio do Boudha Stupa Restaurant & Cafe

Depois de alguns duelos com o guia, o dono do local e outros clientes (chegamos tarde, né?), conseguimos nossa mesa em lugar privilegiadíssimo. E foi contemplando todo o entorno, debaixo de providenciais guardassois, que tivemos o nosso primeiro almoço de verdade no Nepal.

A vista fenomenal das nossas mesas no Boudha Stupa Restaurant

Conquistados os melhores lugares do restaurante, partimos para os pedidos. Começamos com uma porção de momos, uns pasteizinhos recheados, feitos no vapor, parecidos com os guiozas da culinária japonesa. Escolhemos os recheados com vegetais.

Momos vegetarianos

Ana e eu aceitamos a sugestão do guia e pedimos o Typical Nepali Vegetarian Thali, que tem arroz, curry de vegetais, lentilhas, salada e coalhada, além de pappad - um pão local de massa fininha bem tostada.


Comida nepalesa e vista bonita... o que mais a gente poderia querer? Só mesmo uma foto pra guardar a lembrança desse momento feliz!


Alimentadas e fotografadas, pusemos o pé na estrada, ou melhor no terreno sagrado, para explorar o lugar.

Tampa de bueiro no entorno da Boudhanath
Foto: Ana Oliveira

Nas proximidades dali vivem os refugiados tibetanos que chegaram ao Nepal foragidos da invasão chinesa da década de 50.

Essa estupa é formada de uma alta torre dourada, quadrangular, com os olhos de Buda nos quatro lados, assentada sobre um domo branco, que, por sua vez, está construído sobre uma plataforma também branca de vários níveis, tendo ao seu redor e em suas imediações,  casas, lojas e monastérios: um mundo diferente e novo para nós!

Subimos à plataforma e fomos recebidas por dois elefantes montados por divindades budistas.

Boas vindas!

Rodeamos o domo, observando tudo e todos. Ana fez os dois clipezinhos pra gente nunca esquecer dos sons e movimentos que ouvimos e vimos por lá:






De volta à calçada, demos a volta completa na praça, obedecendo a tradição de percorrer o caminho no sentido dos ponteiros do relógio. Entramos em todas, eu disse todas, as lojinhas, incluindo algumas das ruazinhas que saíam da praça.

Observamos o povo, as rodas de oração, os monastérios, as bandeirinhas coloridas, as estupas menores, tudo!

Foto: Ana Oliveira



Uma das estupas menores
Foto: Ana Oliveira

Chamou-nos a atenção a quantidade de monges budistas que circulam por ali. Pudera, vejam quantos monastérios existem naquelas redondezas:

Foto gentilmente roubada da internet...

Na praça que margeia a estupa,  se destaca o enorme sino do Thrangu Tashi Choling Monastery...

Foto: Ana Oliveira

... seu belo telhado contrastando com  céu azul...

Foto Ana Oliveira

... e a enorme roda de oração em torno da qual fiéis e turistas se misturam. Olha nós aí:


Boudhanath  nos  marcou  tanto, que  no  dia seguinte, quando  terminamos  as  visitas  programadas, pedimos a ao guia que nos levasse  outra vez até lá.  

Fomos e tivemos agradáveis momentos, revisitando tudo e observando as pessoas que cumpriam seus rituais naquele local sagrado.



2 comentários:

  1. Não bastassem as belas estupas de Varanasi e de Nepal. esta de Boudhanat, é realmente espetacular, com suas bandeirinhas multicoloridas. A foto de lembrança e os dois clipes documentaram e muito bem , a originalidade do local. As lojinhas referidas e a roda de oração, tudo justificou mesmo, a revisita ao local. Muito bem ! Sylvio

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Obrigada! A Boudhanath é mesmo inesquecível.

      Excluir