quarta-feira, julho 08, 2015

La bela Itália

O Dubrovnik, ferry croata que faz a linha Dubrovnik / Bari, nos deixou no Porto de Bari numa manhã de terça-feira, depois de dez horas de viagem.
Não! Não estávamos mortas de cansaço. Viajamos numa cabine com camas, banheiro, café da manhã e nenhum glamour.
Em Bari, tudo nos pareceu inóspito: o porto, o táxi que nos levou à estação de trens, o guarda-volumes da estação e a própria cara da cidade.
Mas nosso destino naquele dia era Alberobello. Bari seria tarefa apenas para o dia seguinte.



1. Alberobello 

A cidade dos trulli nos encantou logo de cara.
O trullo que havíamos reservado no Tipico Resort era encantador. Tínhamos um cômodo com cozinha completa, mesa e sofá. Um quarto confortável. Bons lençóis e toalhas. Decoração caprichada. 
Só não aprovamos o chuveiro, que tinha pouca água e temperatura oscilante, e o wi fi, com seus altos e baixos.
Ah, não sabe o que é trullo? Olha aí uma coleção deles:


São inteirinhos de pedra. Lindinhos com seus tetos cônicos que os cidadãos alberobellenses chamam de pozzo.
Mal nos acomodamos no nosso trullo, tomamos uma decisão: aumentar a estadia em Alberobello e cortar um dia em Bari. Ui!
Tomamos as providências. Reserva aqui, cancela ali. E fomos felizes dois dias entre os trulli e a lua quase cheia.


Andamos inúmeras vezes pelas mesmas poucas ruas da cidade. Tiramos muitos gigabytes de fotos. Compramos algumas lembrancinhas. Brincamos de casinha indo ao mercado pra comprar víveres e fazer festinha no trullo que chamávamos de nosso.
Foi boa a vida em Alberobello, mas Bari nos esperava.
Quinta-feira é dia de feira em Alberobello. Desfilamos com nossas malas por entre as barracas no caminho até a estação. E, durante esse trajeto, decidimos... abortar o plano Bari!

2. Polignano a Mare

Polignano a Mare, que estava nos nossos planos apenas como um passeio na manhã de sexta-feira, antes de embarcar no trem Bari/Roma, foi elevada à categoria de "destino". 
Ali mesmo, na estação de Alberobello, escolhemos nossa acomodação em Polignano a Mare.
Ficamos entre dois B&B no burgo antigo e decidimos pelo Casa Dorsi a partir das avaliações de clientes do Booking.
Foi uma boa escolha. Nossos aposentos se estendiam por três andares, pertinho do marzão azul e no mirante mais concorrido da cidade.
Olhaí o nosso reino empoleirado:

escada da entrada e varandinha
cozinha e mais escada
quartos
mais escada e varanda superior
escadaria completa

Polignano a Mare também foi esmiuçada pelas nossas lentes. Igrejas, cavernas, praias, lua cheia e principalmente o cidadão famoso: Domenico Modugno -
volare, ô ô, cantare, ô ô ô ô... - nada escapou dos nossos cliques.


Saímos de Polignano debaixo de um sol desanimador e tocamos para Bari.
Bari, de novo? Sim, mas só por um tempo curto. O suficiente pra tomar um lanchinho, resgatar as malas no bagageiro e embarcar para o próximo destino: Roma.

3. Roma

Viajar de trem no trecho Bari/Roma é para os fortes. A viagem é longa. Nada de glamour. Nada de conforto. Nem uma cafeteria, um carrinho de guloseimas... nada! E as tomadas do nosso vagão também não funcionavam.
Seis horas e meia depois, chegamos a Roma. Metrô parado. Eita, Roma!
Daí você chega no hotel quase meia-noite e estão te esperando com atenções, chocolate e flores! Não tem como não gostar.


A gente só pôs reparo em duas coisinhas do hotel: 
- faltou um armário, ou pelo menos uma prateleira, pra colocar roupas dobradas. Havia apenas uma arara com cabides;
- o café da manhã era servido num bar fora do hotel, onde o atendimento foi bem confuso.
Roma estava quentíssima, boa oportunidade pra conhecer e se apaixonar pelos sorvetes da Hedera. Descobrimos o lugar lendo um post no blog Turismo em Roma, fomos conferir e agora não podemos mais viver sem ele. Caso de amor à primeira lambida.


De dica em dica, fomos compondo nosso roteiro romano: a Marcie indicou a Giardino degli Aranci. A Anelise  escreveu sobre a Via Margutta e o Borgo Pio. Num cartaz, descobrimos uma exposição de Chagall...
E assim passamos três dias felizes na cidade eterna, apesar dos quase 40 graus que enfrentamos por lá.
Nossa partida foi semelhante à chegada, perrenguenta. O trem expresso pro aeroporto parou no meio do cominho e chegou com atraso ao destino. Fiumicino estava um caos. E o voo da Air France  para Paris saiu com atraso de mais de uma hora.
Ah, Roma, por que faz isso?

5 comentários:

  1. Carmem,
    Que viagem linda a de vocês!!!
    Ainda não estive na Itália, mas, quando for, vou no inverno :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decisão sábia, Lu!
      Roma vira uma sucursal do inferno no verão.

      Excluir
  2. Que viagem fantásticas, estou babando com as fotos no IG.
    Divirtam-se
    Prego

    @GusBelli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prego, Gustavo!
      A viagem foi mesmo linda. Pena que já acabou...

      Excluir