sábado, junho 14, 2014

Novas experiências para chegar ao GRU


Chegar ao aeroporto de Guarulhos é (quase) sempre uma odisseia.
Algumas vezes fomos com nosso carro e usamos os estacionamentos ao redor do aeroporto. Boa escolha, quando se vai e volta pelo mesmo aeroporto.
O Airport Bus Service que parte aqui da Paulista - o ponto mais próximo de nós - tem a desvantagem de demorar uma eternidade para chegar ao destino, já que pára nos hoteis e no ponto da República.
Nas últimas viagens, fizemos o trajeto com a van do Diners, mas ela nos abandonou! 
Os táxis têm preços bem salgados e, como as opções anteriores, não livram os passageiros de enfrentar uma possível demora no trajeto.
Seja de ônibus, van, carro próprio ou táxi, dependendo da hora em que se empreende o caminho, é preciso paciência e sangue frio. O trânsito pode trazer surpresas... e nem sempre agradáveis.
Pra evitar o desgaste da luta contra o relógio, sempre optamos por sair muito mais cedo do que o necessário, o que nos rendeu, de um lado a tranquilidade, de outro longas horas na Sala do Diners, que também já não existe mais...
Como nosso voo para Manaus partia de Guarulhos, numa manhã de segunda-feira, achamos que era uma boa oportunidade pra testar algumas outras possibilidades. Pensamos em ir no domingo à noite, com calma e, provavelmente, com menos trânsito, e dormir por lá. 
Nossa primeira ideia foi testar o Slaviero Fast Sleep Guarulhos, localizado dentro do aeroporto, mas nossas pesquisas revelaram preço alto e pouco conforto. 
Partimos então para um hotel próximo, que oferecesse transporte. Escolhemos o Ibis Guarulhos.
Hotel reservado, faltava resolver como chegaríamos a Guarulhos.
Decidimos usar o ônibus urbano, que parte da Estação Tatuapé. Tivemos sorte: os dois trens de metrô que usamos chegaram rapidinho e o ônibus estava na plataforma, quase de saída, quando chegamos ao Tatuapé.
Chegamos ao aeroporto em menos de uma hora. E gastamos menos de 10 reais!
Em GRU, tivemos que esperar um pouco pelo transporte do Ibis: eles chegam ao Terminal 2 asa D  nas horas exatas e não cobram nada para levar os hóspedes até o hotel.
O check in já havia sido adiantado pela internet e num instante já estávamos no nosso quarto, não sem antes reservar o traslado de volta para a manhã seguinte, que sai nas meias horas e custa 5 reais por passageiro.
O hotel é bem simpático, tudo naquele padrão Ibis que a gente já conhece, sendo que o quarto e o banheiro são até um poco maiores do que esperávamos. 
Uma vez no quarto, fizemos o check in no Foursquare e - surpresa - alguns minutos depois, nossa amiga Lucia Malla, em trânsito entre o Havaí e Vitória, fez check in no vizinho Mercure. Nos comunicamos e combinamos um encontro no lobby. E ali ficamos, tomando chá e trocando figurinhas - metafóricas - até a madrugada.
Ó nóis aí:


8 comentários:

  1. Muito legal! ainda maiscom esse encontrinho premiado <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Num é, Mari?
      Foi uma delicinha o encontro.

      Excluir
  2. Encontro premiado, mesmo! Djilícia! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi djlícia mesmo, Marcie!
      Não é sempre que a gente encontra pessoas queridas, né?
      E o fator surpresa sempre dá um "plus a mais"... :-)

      Excluir
  3. Que dica legal! E encontrar com a querida Lucia Malla, delícia de papo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a gente planeja uma coisa básica e ganha encontro inesperado como upgrade. \o/

      Excluir
  4. Este é o tipo de surpresa muito boa!E o povo reclama ainda do Foursquare! :)

    ResponderExcluir
  5. Então, Carina, tudo tem sua utilidade, né? E só saber usar...

    ResponderExcluir