sábado, maio 02, 2009

Olê, mulher rendeira...

A propósito de um tópico na comunidade de Chico César no orkut, me pus a pesquisar sobre a música Mulher rendeira.
O tópico na verdade fazia referência à música Folía de príncipe, à qual Chico agregou uma versão da tal Mulher rendeira.
O encarte do CD Cuscuz Clã, onde está inserida a música, dá conta de duas músicas incidentais incluídas na canção:
*Mulher rendeira (Zé do Norte)
*Vozes da seca (Zé Dantas/Luiz Gonzaga)
Clica daqui, clica dali, descobri um montão de coisas.
  • Primeira descoberta: Alfredo Ricardo do Nascimento, nascido no início do século 20.
Alguém conhece?
E se eu disser que o nome artístico dele é Zé do Norte, melhora? Não?
Pois bem, Alfredo Ricardo, ou Zé do Norte, como queiram, é tido como o autor de Mulher rendeira, entre muitas outras bem conhecidas dos nossos ouvidos.
A música fez parte da trilha sonora do filme O cangaceiro (1953) e com isso ganhou o mundo, já que o filme foi exibido no Festival de Cannes daquele ano e foi considerado o melhor filme de aventura. E há quem diga que a música foi feita pelo próprio Lampião e que, por ocasião do filme, sofreu apenas uma adaptação do compositor Zé do Norte. Será?
Mais alguns cliques e cheguei ao site Acervos do Brasil. Lá pude ouvir uma gravação do próprio Zé do Norte, feita em 1969, num disco que leva o nome de Mulher rendeira .
A letra da canção cantada pelo Zé do Norte era essa:
*
Olê mulher rendeira
Olê mulher rendá
Tu me ensina a fazer renda
Que eu te ensino a namorar
*
Mulher de cangaceiro
Não tem medo de careta
Quando vê a coisa preta
Sai rolando pelo chão
*
Solta o dedo no gatilho
Bota fogo no sertão
Tenente perde a patente
Coronel perde o galão
*
O poderoso Google me mostrou outras versões dessa letra:
Cida Moreira (CD Na trilha do cinema, 1997), canta o refrão seguido dos versos:
*
Lampião desceu a serra
Deu um baile em Cajazeira
Botou as moças donzelas
Pra cantá muié rendera
*
As moças de Vila Bela
Não têm mais ocupação
Se que fica na janela
Namorando Lampião
*
Elba Ramalho (Cd Maxximum, 2005) usa toda a versão de Zé do Norte como refrão e acrescenta os seguintes versos:
*
Andei o sertão inteiro
Levando menino bom
Sou mulher de muita briga
Não há quem me diga não
*
Chorou por mim não fica
Soluçou vai no "borná"
*
Meu sangue corre nas veias
Coração sai do lugar
Os macacos da polícia
Mando bala pra matar
*
E mais algumas outras versões, dentre as inúmeras que encontrei pela net:
*
A pequena vai no bolso
E a maior vai no "emborná"
Se chorar por mim não fica
Só se eu não puder levar
*
O fuzil de Lampião
Tem cinco laços de fita
No lugar que ele habita
Num falta moça bonita
*
Saudade levo comigo,
Soluço vai no emborná.
Se você tá me querendo,
Vamo pra Igreja, vamo casá.
*
E depois de nóis casado,
Vou pra roça, vou prantá.
*
O texto Repercussão da rendeira, de Assis Ângelo, postado no blog da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço faz um belo inventário dos caminhos percorridos pela música.
  • Segunda descoberta: o site de Luiz Gonzaga com TODA a sua obra digitalizada!
Ali foi fácil localizar a música Vozes da seca, de 1953, com os versos:
*
Mas doutô uma esmola a um homem qui é são
Ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão
*
E assim chego à versão que Chico César canta em Folía de príncipe:
*
Olê mulher rendeira
Olê mulher rendá
Tu me ensina a fazer renda
Que eu te ensino a namorar
*
Lampião desceu a serra (mano)
Deu um baile em Cajazeira
Ensinou a moça donzela
A dançar mulher rendeira
*
Lampião desceu a serra (brother)
Com sapato de algodão
O sapato pegou fogo
Lampião caiu no chão
*
Lampião tava dormindo
Acordou-se assustado
Atirou numa craúna pá pá pá
Pensando que era um soldado pá pá
*
As moças de Vila Bela (mano)
Não têm mais ocupação
Bota queijo e rapadura
No bornó de Lampião
*
Mas doutô uma esmola
Para a um homem qui é são
Ou lhe mata de vergonha (mano)
Ou vicia o cidadão
*
E como fã sempre considera seu ídolo um gênio... Aqui estou eu, escrevendo sobre a genialidade de Chico César.
Quem quiser - ou puder - que me conteste!

4 comentários:

  1. Durante muito tempo eu andava intrigada com a letra dessa música. Ouvi certa vez um coral cantando uma versão, depois ouvi outras, e outras, e sempre fiquei na dúvida quanto a letra de mulher rendeira... Mas o fato é que esse seu blog me deu uma boa clareada nas idéias e mostrou o quão genial foi o Chico César, ao juntar muitas das versão e criar a sua com tanta maestria.

    ResponderExcluir
  2. Bom saber que ajudei.
    Volte mais vezes. Tem sempre alguma novidadezinha por aqui. Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. olá carmen sou a prof°silvania, estava pesquisando sobre essa musica para uma apresentação
    de festa junina e tive as mesmas curiosidades que você. E fiz o mesmo que você saí pesquisando e gostei muito das suas descobertas. estou precisando de outras musicas do mesmo genero se você dispõe deste acervo poste-o por favor.obrigada

    ResponderExcluir
  4. Silvania, eu não tenho um acervo. Fiz a pesquisa porque me interessei por essa música.
    Bom saber que você curtiu minhas "descobertas".
    Obrigada pela visita.
    Volte sempre que quiser.

    ResponderExcluir